Páginas

terça-feira, 15 de novembro de 2011

O segredo de uma carreira brilhante!!


Você, como a maioria das pessoas, deseja ter uma carreira brilhante. Por que eu faço esta afirmação? É simples. Passamos a maior parte de nossa vida trabalhando. Imagine como seria acordar todos os dias sem a sensação de estar fazendo algo produtivo, capaz de trazer crescimento e realização. Já pensou? Então vamos pensar agora no que é necessário fazer para ter uma carreira brilhante.

Existem várias coisas que você precisa fazer para atingir este fim, mas o fator principal é a coragem. As pessoas mais corajosas do mundo são aquelas que são comprometidas a descobrir como podem conseguir o melhor delas mesmas.

São indivíduos que:

  • Buscam aprender como mudar seus hábitos e crenças limitantes para realizar seus sonhos;
  • Lutam contra a “doença” da procrastinação e do medo de trilhar novos caminhos;
  • Investem seu tempo aprendendo técnicas e conceitos que possam ampliar sua qualidade de vida e felicidade.

Se você:

  • Sente que algo poderia ser melhor em sua vida;
  • Anda desanimado e sem energia;
  • Aprendeu a aceitar as dificuldades da vida e espera que um dia as coisas melhorem;
  • Acha difícil aceitar críticas;
  • Demora anos para tomar decisões, especialmente aquelas que irão mudar o seu futuro;
  • Está sem perspectivas e não enxerga um futuro brilhante e repleto de realizações;
  • Se sente bem, mas quer muito mais da vida.

O que você pode fazer?

Comece com coisas simples, porém absolutamente cruciais. Quer ver uma delas?

Pare de utilizar a palavra “porque”.

O “porque” traz consigo uma série de desculpas e justificativas. Faz com que a pessoa não encontre alternativas para lidar com suas dificuldades e perca o controle de sua vida.

Observe estes exemplos:

  • Não tenho uma carreira brilhante, porque não possuo conhecimento suficiente;
  • Tenho que aturar este emprego, porque preciso sustentar minha família;
  • Não falo inglês, porque não tenho tempo para fazer um curso.

Chega de por que!!!!!

Assuma o supremo desafio de estar no controle de sua vida. Vencedores sabem que sempre existem alternativas diante de dificuldades. Perdedores justificam-se e aprendem a viver com suas limitações e frustrações.

Você precisará de muita coragem para eliminar os porquês e as justificativas pelo seu baixo desempenho, pelas frustrações e infelicidades cotidianas.

Muita coragem… Mas muita mesmo!

Contudo, ao eliminar as justificativas de sua vida, você entrará em um novo padrão de pensamento, que é o de se perguntar: “O que eu devo fazer para superar esta dificuldade?” E é com este estado de espírito que você se prepara para construir uma carreira brilhante.

Um forte abraço, e lembre-se:

VIVA INTENSAMENTE.

Villela da Matta

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Lean Coaching

O foco do Lean coaching é fornecer seminários, workshops ou cursos e treinamento sobre os princípios e práticas do pensamento Lean para os indivíduos e grupos de funcionários dentro das indústrias de serviços e de manufatura. O LeanCoaching foi criado em 2002 para satisfazer uma necessidade crescente de especialistas capazes não só de fazer recomendações (Know-O), mas também de clientes levando através dos obstáculos encontrados durante a implementação (Know-How). LeanCoaching fundador Gert Haar-Jorgensen tem aconselhado as organizações blue chip em toda a Europa, EUA e Ásia durante os últimos 15 anos, incluindo três anos como um perito dessa prática na McKinsey & Company
LeanCoaching reúne profissionais altamente experientes de transformações lean que combinam conhecimento interno pendentes do Sistema Toyota de Produção, com resolução de problemas em um nível estratégico de maximizar o impacto nos negócios. LeanCoaching serve uma grande variedade de setores globalmente
Tomamos uma perspectiva de sistemas para otimizar todos os elementos da cadeia de valor e oferecer melhorias altamente sustentável para o desempenho operacional, através de treinamento com alta administração e agentes de formação interna de mudança. Acreditamos que a mudança sustentável depende da criação robusta processos de alto valor agregado, enquanto mudando também paradigmas de gestão e comportamentos. Como conseqüência, procuramos ativamente a transferir nossas habilidades para a equipe do cliente através do face a face com ituito de treinar. Envolvemos toda a organização na criação de ideias e adaptamos a implementação para atender o cliente.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Aquisição de Valores no Processo Produtivo

Montei este resumo com intuito de criar uma melhor compreensão do que entendemos como evolução do processo produtivo.
As teorias organizacionais existentes foram surgindo à medida que novos contextos as exigiam, como novas alternativas, seguindo o que poder-se-ia chamar de processo evolutivo, adequado às mudanças do ambiente.
Passado

Fordismo, Taylorismo  

Início - 1914
Criação das máquinas para as pessoas e a molde do mundo de acordo com processos mecânicos

Ápice - 1920
-divisão de tarefas, separando o trabalho físico do mental
-criando a figura do engenheiro industrial (Planejamento e controle da produção)
-determinando apenas uma tarefa para cada trabalhador
-redução do esforço humano
-aumento de produtividade
-diminuição dos custos
-aumento do volume produzido.

Queda - 1960
-Modelo rígido
-sistema de controle altamente burocratizado
-crise do petróleo nos anos 70
-estagnação econômica
-declínio da qualidade da educação em vários níveis

Toyotismo
Início - 1953
reconstrução 2ª guerra - os dois lados fizeram grandes encomendas ao Japão, que ficou encarregado de fabricar roupas, suprimentos para as tropas na frente de batalha, além de caminhões Toyota, o que livrou a empresa da falência  

Ápice - 1970
trabalhos em grupos, com várias responsabilidades e agrupados a um líder operários responsáveis pela qualidade possuíam autonomia gerando a longo prazo um aumento significativo na qualidade

Falha
assemelha ao sistema feudal


Volvismo
Criado em 1960
produção se assemelha a um cérebro, faz o todo em cada parte(Qualidade). Cria a conectividade, cria a simultaneamente a especialização e a generalização, cria a capacidade de auto-organização.
Foco em produzir bens pequenos, que consumissem pouca energia e matéria-prima.

Falha
vínculos entre proletariado e patrão tem se tornado frágeis.
flexibilidade exige uma qualificação muito alta e sempre focando a redução dos custos

Coaching
Início - 1500
Em 1500 na Inglaterra, Coaching referia-se a um tipo particular de carruagem. O mais interessante era que a escolha para onde a carruagem deveria ir era feita pelo passageiro e não pelo coach

1950 – Coaching como forma de gerenciar
1980 – Executive Coaching Emerge

O resultado dessa ferramenta pode ser visto no estudo publicado pela revista Fortune 500, que mostra o que o programa de Coaching trouxe de benefícios às empresas:

Aumento de produtividade (53%)
Organização (48%)
Retenção dos executivos que receberam Coaching (32%)
Relacionamento entre reportes diretos (77%)
Trabalho em equipe (67%)
Relacionamento com pares (63%)
Satisfação no trabalho (61%)
Redução de Conflitos (52%)
Comprometimento com a organização (44%)

Sistema Lean
Início - 1998
Sistema enxuto - Em Lean, perda é tudo aquilo em um processo que não agrega valor. Por exemplo, o tempo que um documento está na mesa de alguém aguardando alguma ação, estoque acumulado que não será usado no curto prazo, produto terminado aguardando liberação de saída.
identificar os desperdícios e planejar uma nova forma de desenvolver produtos com base nos conceitos lean, sendo esperados como resultados: menores lead times de desenvolvimento, maior produtividade, qualidade e retorno sobre o investimento

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Thoughts #1


Ao fazer planos mire bem alto, tão alto quanto a Lua.
Não se preocupe com seus erros, mantenha o foco nos objetivos.
No fim das contas, na pior das hipóteses, estará entre as estrelas.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

A arte de abrir portas


Em nossa vida portas são fases ou estágios  de evolução. Assim como cada porta tem sua ‘’fechadura’’, na vida essas portas tem as maneiras corretas de serem abertas e fechadas.
Ao abrir as portas de maneira correta, um novo horizonte é colocado a nossa frente.  A busca por metas e objetivos sempre remete a abertura de portas, onde muitas vezes ao inovar conseguimos um outro caminho.
Como a vida é feita de decisões, frequentemente temos mais de uma porta a escolher.
Ao encontrar uma porta, poderá abri-la ou não. Caso abra, poderá ou não entrar em uma nova sala. Para entrar, terá que vencer a dúvida, o titubeio ou o medo. Se vencer, você deu um grande passo: nesta sala vive-se.
Mas também tem um preço: são inúmeras as outras portas descobertas. O grande segredo é saber quando e qual a porta deve ser aberta. A vida não é rigorosa: ela propicia erros e acertos. Os erros podem ser transformados em acertos, quando, com eles, se  aprende. Não existe a segurança do acerto eterno.
A vida é generosa: a cada sala em que se vive, descobre-se outras tantas  portas. A vida enriquece a quem se arrisca a abrir novas portas. Ela privilegia quem descobre seus segredos, e generosamente oferece  afortunadas portas.
Mas a vida também pode ser dura e severa: Ao não ultrapassar a  porta,  terá sempre a mesma porta pela sua frente. É a repetição perante a criação, a monotonia cromática perante o arco-íris
Para a vida, as portas não são obstáculos, mas diferentes passagens.
Compreender isso facilita nosso caminho.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Persistência e Perseverança

Para muitas pessoas não é clara a diferença entre ser persistente e perseverante, mas ela existe e pode ser uma das explicações para o sucesso ou fracasso de profissionais na atualidade.
Segundo Villela da Matta, Presidente da Sociedade Brasileira de Coaching (SBC), a persistência pode ser entendida como ‘’fazer mais do mesmo para alcançar um resultado’’, o que pode ser ruim ou bom dependendo da situação.
Para se aprender uma nova língua ou se fazer um bom trabalho o profissional deve ser persistente. Este é o lado bom da persistência. O lado ruim aparece quando se quer algo novo e continua-se trilhando o mesmo caminho.
Isso pode ser entendido também como insanidade. ‘’Quando o profissional deseja mais, mas continua persistindo na forma como realiza o trabalho, já que está trilhando caminhos que não estão trazendo resultados.’’
A Perseverança e o Sucesso
Segundo o presidente da SBC, ‘’o perseverante é flexível, porque busca mais soluções para atingir os seus objetivos.Ele tem mais possibilidade de chegar ao resultado porque busca alternativas. Isso é fundamental porque o sucesso não é atingido num primeiro momento”.
Ele usou a Teoria de Darwin sobre a evolução das espécies para ilustrar a diferença de persistentes e perseverantes e como isso está relacionado ao sucesso. “A Teoria de Darwin diz que a espécie que tiver maior número de opções para interagir vai dominar o sistema”.
Isso significa que a pessoa que tiver mais opções de caminhos a trilhar também pode atingir mais rapidamente aquilo que deseja. “Uma pessoa mais persistente não atinge resultado, ou não vai se perpetuar, porque não vai dominar o sistema”.
O Tempo é vilão
Questionado sobre se ser persistente ou perseverante está relacionado ao perfil de uma pessoa, Matta afirmou que não. Para ele, existe uma tendência de os profissionais serem mais conservadores ou persistentes, com o passar do tempo. À medida que eles ganham experiências e vão tendo resultados positivos, mais insistentes ficam.
“Quando o ser humano vai envelhecendo, ele se liga a padrões passados, mas o mundo muda e é preciso ter novas abordagens”, explicou, completando que, ao contrário disso, o jovem é cada vez mais disposto a conhecer o novo.
Para reverter essa tendência natural, Matta afirmou que a pessoa deve se questionar sobre qual a meta na carreira e o caminho que está usando para atingi-la. “Se o profissional não sabe aonde quer chegar, não importa ser persistente ou perseverante, porque não conseguirá saber se está avançando”, finalizou.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Sistema Lean e sua aplicação no gerenciamento de projetos.

Primeiramente podemos entender projeto como um esforço temporário empreendido com um objetivo pré-estabelecido, definido e claro. Tem início, meio e fim definidos, duração e recursos limitados, numa seqüência de atividades relacionada.
O termo Lean é relacionado com um processo genérico de gerenciamento derivado do sistema Toyota de produção. Lean significa principalmente eliminar desperdícios ou atividades que não acrescentam valor numa linha de produção ou em qualquer outro processo. Na medida em que não se gera desperdício ou atividades sem valor, a eficiência é maior, os custos são menores e a satisfação do cliente (em tese) é maior.
A implantação da filosofia Lean passa pelo seguinte método:
  • Definir o que é valor para o processo em questão.
  • Identificar o fluxo de criação de valor
  • Eliminar os desperdícios na criação de valor
  • Produzir apenas aquilo que é demandado
  • Aplicar uma filosofia de melhoria contínua
Esse tipo de metodologia é bem adequada para produção de coisas, especialmente em processos de manufatura. Fazer projetos é diferente de uma manufatura. Manufatura é um processo repetitivo ao passo que o projeto é algo único. Mas é possível fazer um paralelo de equivalência com aquilo que as melhores práticas de gerenciamento de projetos recomendam:
  • Definir o que é valor equivale a definir o escopo com clareza, especialmente a especificação do escopo a ser produzido, de forma a atender as necessidades do cliente e evitando o que os americanos chama de Goldplating (“Dourar a pílula”. Entregar mais do que o necessário).
  • Identificar o fluxo de criação de valor equivale a fazer um bom planejamento executivo, criando uma estratégia de execução do projeto que seja a melhor possível.
  • Eliminar os desperdicios na criação de valor equivale a fazer uma boa execução do projeto, com especial atenção para as questões de qualidade.
  • Produzir apenas aquilo que é demandado equivale a fazer certo, da primeira vez aquilo que está especificado no escopo (e certificar-se de que a definição do escopo está clara tanto em termos quantitativos quanto qualitativos).
  • Aplicar uma filosofia de melhoria contínua equivale a definir no plano de qualidade um plano de melhoria contínua.
Como se pode verificar, a filosofia Lean e a as recomendações das melhores práticas de gestão de projetos não são assim tão diferentes.

quinta-feira, 30 de junho de 2011

O genoma de uma Startup - Começando a decifrar

Quais seriam os fatores que determinam o sucesso de uma Startup?
Um estudo divulgado pela aceleradora de negócios Blackbox em parceria com pesquisadores das universidades de Berkeley e Stanford é resultado de uma análise aprofundada de 650 startups do Vale do Silício ao longo de três meses.

Uma das conclusões do estudo é que fundadores bem-informados e bem-assessorados tendem a se dar melhor. A pesquisa mostra ainda que é comum os fundadores superestimarem o tamanho do seu mercado, a originalidade do negócio e a rapidez com que o produto será aceito no mercado.

Abaixo estão listadas as principais conclusões do relatório:
  • 1. Fundadores que aprendem tem mais sucesso: startups que tem ajuda de mentores, acompanham métricas eficientemente e aprendem com os líderes do pensamento de startup levantam 7 vezes mais dinheiro e tem crescimento de usuários 3,5 vezes melhor;
·         2. Startups que se redirecionam o modelo de negócios uma ou duas vezes(Pivot) captam 2,5 vezes mais dinheiro, têm 3,6 vezes mais chance de crescimento e 52% menos chance de tentar crescer antes da hora que as que o fazem mais de duas vezes ou nenhuma.
  • 3. Muito investem de 2 a 3 vezes mais capital do que necessário em startups que ainda não encontraram o ajuste entre problema e solução. Também investem demais em fundadores únicos ou equipes fundadas sem técnicos – apesar dos indicadores mostrarem que nesses casos as probabilidades de sucesso são bem menores;
  • 4. Investidores que envolvem no dia a dia da compania tem pouco ou nenhum efeito na performance operaciona. Mas os mentores certos influenciam significativamente a performance e a habilidade de conseguir dinheiro. Entretanto, isso não significa que investidores não tenham efeito significativo nas “avaliações” (de quanto a empresa vale) e M&A;
  • 5. Fundadores solitários levam 3,6 vezes mais tempo para chegar ao estágio de escala comparando com equipes de 2, e tem 2,3 vezes menos chances de ter que começar o negócio do zero.
  • 6. Equipes com base sólida de negócios tem 6,2 vezes mais chances de obterem escalabilidade com sucesso nas startups orientadas a vendas do que nas orientadas a produtos (pense nisso);
  • 7. Equipes com base técnica sólida tem 3,3 vezes mais chance de obterem escalabilidade com sucesso em startups focadas em produtos sem efeito de rede do que em startups focadas em produto com efeito de rede (uau!);
  • 8. Equipes balanceadas com um fundador técnico e um fundador da área de negócios levantam 30% mais capital, tem aumento de clientes 2,9 vezes maior e tem 19% menos probabilidade de escalarem prematuramente do que equipes com fundadores focados em só um tipo de competência;
  • 9. A maioria dos fundadores de sucesso são movidos pelo impacto, mais do que por experiência ou dinheiro;
  • 10. Fundadores superestimam o valor da PI em 255% antes do ajuste entre o produto e o mercado;
  • 11. Startups precisam de 2 a 3 vezes mais tempo para validarem seu mercado do que a maioria dos fundadores imagina. Esta subestimação cria a pressão de escalar prematuramente;
  • 12. Startups que não levantaram investimento superestimam 100 vezes o tamanho do seu mercado e comumente confundem seu mercado como um novo mercado;
  • 13. Escalar prematuramente é a principal razão de as startups irem pior. Tendem a perder a batalha cedo por atropelarem a si mesmos;

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Centelha interior

Esse vídeoclipe pop nos passa uma mensagem simples, mas muito importante, a centelha que existe em cada um de nós. Cabe a nós saber utilizá-la para o nosso bem e o bem geral.
Por meio dessa ''força de vontade'', se quiser pode chamá-la assim, conseguimos realizar nossos sonhos e objetivos.
Cabe ao Coach através de suas metodologias e ferramentas descobrir o meio mais eficaz para cada indivíduo saber transformar essa centelha em um show de fogos e/ou ampliar esse potencial já existente dentro de cada um.




Há momentos em nossas vidas que sentimos falta, mas não sabemos exatamente do quê. A resposta sempre esteve e sempre estará dentro de nós. Basta um momento de pausa do cotidiano para olharmos para nosso interior e sentirmos para onde o vento sopra e para onde desejamos ir. A vida nem sempre é facil, mas com certeza, vale a pena.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Gestão para Resultados - Soraya Gervásio



Soraya Gervásio comenta sobre as principais habilidades para se gerenciar eficazmente, fala sobre Planejamento, Negociação, Flexibilidade e Persistência.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Estado de Flow - Mihaly Csikszentmihalyi - TED

Você sabe o que é um estado de flow? Provavelmente não conhece o nome, mas já deve ter entrado nele algumas vezes.
Mihaly Csikszentmihalyi conhecido por seu trabalho no estudo da felicidade e criatividade, é mais conhecido como o criador do conceito de FLOW.





Em suma, o fluxo pode ser descrito como um estado onde a concentração e a  motivação se encontram, resultando em uma espécie de harmonia produtiva.

Para alcançar um estado de fluxo, um equilíbrio deve ser atingido entre o desafio da tarefa e a habilidade do executante. Se a tarefa é demasiado fácil ou demasiado difícil, o fluxo não pode ocorrer. Tanto o nível de habilidade e o desafio devem ser elevados, se habilidade e desafio são baixos o resultado é a apatia [traduzido do wikipedia].


COMO IDENTIFICAR SE VOCÊ ESTÁ EM FLOW
  • Tarefa dasafiadora e que exige habilidade.
  • Existe concentração.
  • Os objetivos são claros.
  • O feedback é imediato.
  • O envolvimento é intenso e natural.
  • Existe um senso de controle.
  • A consciência do EU desaparece.
  • O tempo para.
DICAS PARA GERAR FLOW
  • Use os seus talentos e habilidades na potencialidade máxima.
  • Desenvolva forças e virtudes.
  • Use suas forças e talentos.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Evolução

O destino do ser humano é a evolução. Todo o universo está em constante evolução e o ser humano não é uma exceção. O foco da evolução humana é a perfeição, o estado de paz total, de ausência de tensões, de plenitude.
 As pessoas têm uma necessidade natural de evolução, de crescimento. Elas precisam apenas ser apoiadas e motivadas para a obtenção dos melhores resultados.

  Há duas maneiras de evoluir:
 1. Pela ação / Com direção definida – fazer acontecer, participar ativamente do processo.
 2. Pela omissão / Sem nenhuma direção – “deixar rolar”, tal como os bichos.

  A evolução pela ação é mais acelerada e é a melhor opção quando o direcionamento é correto, mas quando ele é equivocado ela é fonte de desilusão e sofrimento e os ganhos decorrentes da ação são reduzidos. A evolução pela ação é fruto da experiência. Ao fugirmos da experiência fugimos da evolução. Quem tem o conhecimento, mas não o aplica, não o experimenta, se equipara ao que não tem o conhecimento. Quem não experimenta não erra, mas não evolui. A experiência está tanto em fazer algo como em deixar de fazer algo. A experiência está em se fazer aquilo que se crê ser o melhor para o próprio processo evolutivo, para a busca da felicidade, e em deixar de fazer aquilo que achar ser ruim para o processo.

São fatores essenciais para a evolução o instinto, a intuição e a razão, bem como as necessidades naturais positivas.

Evoluir não é uma opção é o destino do ser humano e a evolução se dará pelo amor ou pela dor, pelo sofrimento ou pelo esclarecimento. Considerando a evolução atual dos meios de comunicação, da conscientização da sociedade para as questões de interesse coletivo e o cada vez mais reduzido nível de risco à sobrevivência, pode-se concluir que a fase da evolução pelo amor e pelo esclarecimento já foi iniciada.


                                                                                           Autor desconhecido.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Stress - O excesso faz mal

O corpo humano é regido por diversas e incontáveis leis que se aplicam de formas diferentes para cada um. Mesmo assim conseguimos sentir e identificar que é necessário um equilíbrio entre essas leis para o bom funcionamento do nosso corpo e mente. Quando o desequilíbrio ocorre por muito tempo inúmeros problemas tanto físicos quanto psicológicos são desencadeados. Um dos efeitos desse desequilíbrio é o stress.

Profissionais de qualquer área, principalmente os que têm que lidar com grandes pressões, volumes de trabalho ou responsabilidades estão sujeitos a estes efeitos. Esses perfis podem ser encontrados mais facilmente em áreas como TI, gerência, CEO, empresários, empreendedores, etc.. Funções que exigem grande responsabilidade e consequentemente uma grande pressão são potenciais fontes de stress. De toda forma cargos que exigem uma menor carga de trabalho ou que podem ser consideradas menos estressantes podem gerar pessoas estressadas. Tudo depende da maneira como nos relacionamos com nosso trabalho.

Com o objetivo de procurar manter esse equilíbrio devemos analisar o nosso nível de satisfação nas diversas esferas de nossa vida e aprender a analisar os sinais dados por nosso corpo. Trabalhar com o que gostamos também é um ótimo meio de evitar esse stress visto que esse é o primeiro pilar de uma caminhada de sucesso.

Abaixo um vídeo com casos extremos de stress no trabalho. Convenhamos, apesar desse ser um assunto sério, o vídeo chega a ser hilário!


Work Office Stress

sábado, 9 de abril de 2011

Equipe, Liderança, Motivação, Superação

Quando você precisa passar por desafios, enxerga problemas ou soluções?

O verdadeiro líder é aquele que consegue induzir e convencer as pessoas com idéias, através de fatos e argumentos lógicos. É aquele que vê sua equipe como parceiros e não subalternos. O verdadeiro líder consegue enxergar além daquilo que os olhos percebem, ele faz do vencido um vencedor.

O vídeo abaixo é um exemplo do que vemos muito no dia a dia das cidades e até mesmo nas empresas: Um grande número de pessoas reclamando por um problema, mas poucos fazendo sua parte. Poucos são os líderes que correm atrás de uma solução antes mesmo de serem requisitados.


quarta-feira, 6 de abril de 2011

Alinhando as estratégias aos desafios de crescimento

As perspectivas da economia brasileira nos próximos anos são muito positivas. No entanto, a continua mudança dos aspectos que impulsionam o cresci­mento está modificando a dinâmica dos negócios, forçando as empresas a rever os fundamentos de sua estratégia e, consequentemente, a maneira como abordam seu mercado-alvo. Entre os principais motores do crescimento es­tão a rápida expansão da classe média, o aumento da concorrência e a interna­cionalização de empresas brasileiras.

Os novos direcionadores de mercado estão surpreendendo muitas empresas. As mudanças são evidentes: há novos players, novos produtos e serviços, no­vos formatos de lojas, produtos finan­ceiros e novas demandas por parte dos consumidores. Os modelos de negócio e as estratégias de marketing e ven­das tradicionais já não valem mais. O grande desafio é aproveitar as oportu­nidades não apenas para crescer, mas também para sustentar o crescimento.

Ao revisar sua estratégia para atuar nesse cenário em mutação, os execu­tivos devem refletir sobre alguns pon­tos. É fundamental que o lider tenha clara noção sobre quais são os princi­pais aspectos e os riscos potenciais em torno do desafio do crescimento, onde estão os riscos e quais são as compe­tências necessárias para sustentar a expansão. Também é fundamental avaliar se possuem os talentos ne­cessários para conduzir e sustentar o crescimento.
Os principais obstáculos para o crescimento podem ser divididos em:

Conjunturais: recessão, perturbações politicas, açòes regulatórias;

Estratégicos: mudanças na demanda do cliente, aquisições malsucedidas, força da marca, falha em expansão internacional e incapacidade da admi­nistração para absorver o crescimento;

Organizacionais: Escassez de talentos, estruturas de tomada de decisão deficientes, métricas de desempenho incorretas.

Porém, fica evidente que o maior obstáculo é a dificuldade em aten­der rapidamente às mudanças nas demandas dos clientes. É necessária uma perspectiva estratégica capaz de visualizar todas as alternativas possíveis para obter a participação de mercado desejada e vantagem competitiva.
Seja qual for o segmento de atuação é fundamental ter uma clara defini­ção do modelo de negócio desejado alinhado a uma nova estratégia de abordagem de mercado. Isso deve in­cluir a melhoria dos canais de vendas, integração da cadeia de suprimentos, adequação do suporte tecnológico, um bom conjunto de talentos e mensuração do retorno financeiro.

Infelizmente, o fato é que a maioria dos processos de demanda não antecipa ou detecta a necessidade dos clientes por soluções que permitam criar valor. Poucas empresas possuem as informações quantitativas e as competências necessárias para responder a questões importantes, tais como: quais os segmentos de clientes e/ou geografias que podem garantir o crescimento; quais os parâmetros mais importantes para fidelizar clientes; qual o nível de performance necessária, comparada com os concorrentes, para motivar uma mudança de comportamento dos clientes; quais as novas competências que seriam necessárias para isso.

Hoje a vantagem competitiva é obtida por meio de uma profunda compreensão das relações de causa e efeito entre o serviço ao cliente, a eficácia da integração operacional, o modelo do canal de vendas e o retomo financeiro para os participantes. Em alguns casos, isso irá representar a diferença entre o sucesso e o fracasso nos próximos anos.

Fonte: CEO Brasil – 20 , Sachin Mehta, especialista em estratégia e CRM.